sexta-feira, 27 de agosto de 2010

Dia Valeparaibano de Contar Histórias!

Meus caros amigos, pessoas privilegiadas ao nascerem com o dom de levar alegria e aconchego aos seus. Tenho um decreto a fazer:

Todos vocês estão OBRIGADOS (se quiserem!) a neste 28 de agosto, contarem uma história.
Desde o amanhecer até o sol se ir é tempo suficiente para receber amigos, acolher parentes, dedicar alguns minutos aos mais velhos ou muito jovens, lhes contando uma história.
Eu já escolhi a minha, está no livro de Ruth Guimarães, lançado recentemente,' João Barandão e outras histórias'.

Quem conseguir realizar a tarefa, faça a gentileza de registrar aqui no blog.
Tenham todos um excelente final de semana e um aconchegante Dia Valeparaibano de Contar Histórias!
Gente, adorei isso!
Paz e bem!

Sônia Gabriel

10 comentários:

Anônimo disse...

Querida Sonia Gabriel, hoje contei para o meu neto, a historia do saci perere, que vive na zona rural, em uma moita de bambu, esperando o cavalo chegar, para ele dar um passeio pelos campos, mas meu neto questionou-me" vô, como o saci vai montar a cavalo, se ele so tem uma perna? minha resposta" ha meu neto, isso não é problema para o saci, pois com um belo salto, ja esta montado a cavalo, e ai é so alegria..... para o saci......" ha.ha.ha.ha...., Sonia fiz outra coisa tambem, dei seu e_mail, para uma pesquisadora do Rio de Janeiro, que quer vir a Bananal, atras de fotos do sec. 18 ( 1750 a 1800) não sei as datas de fotos que tenho..... naquele tempo so tirava fotos de pessoas, mas ela quer de casas fazendas, florestas.... saude e paz reinaldo

Mistérios do Vale disse...

Oba, a primeira história!
Sônia Gabriel

Anônimo disse...

Mas já pode começar hoje, entou vou lá e já volto.
Ludmila

Anônimo disse...

Contei para meus filhos a histórias da Cuca,só que aumentei uns pontos, pode?
Um beijo minha querida, Sônia
Seja muito feliz. Conrinue tendo ideias maravilhosas e deus l

Anônimo disse...

Hahahahaha, foi super animado. Que fim de trade gostoso, obrigada.
Estava viajando e escolhi um asilo que ficava perto dao hotel onde eu estava,levei seu livro Mistérios do Vale, que vc gentilmente me deu na sua visita aki na minha cidade, e qual não foi a minha surpresa, quando descobri que quem acabou ouvindo histórias fui eu. Histórias engraçadas, tristes, apavorantes, muitas fruto da imaginação de pessoas que já viveram muito, outras talvez realmente fossem verdades. Mas quem vai saber ? O importante foi o divertimento, como rimos, lanchamos e sai de lá com a alma leve, andando pelas ruas e rindo sózinha. Todos queriam contar histórias, todos queria contas hist´órias melhores que a dos outros, foi maravilhosos.
Obrigada por me mostrar como é bom conversar um bom papo-furado.... contar uma história, ouvir histórias.
Márcia Dias - de Bananal

Mistérios do Vale disse...

Márcia, muito obrigada por contar, que bom que se divertiu.
Beijos Sônia Gabriel

Anônimo disse...

Dia Valeparaibano de Contar Histórias, adorei. Todos os anos vou repetir, só você Professônia.
Beijos
Letícia da Moppe

Anônimo disse...

Eu contei a história de minha bisavó para meus filhos, nós contamos tanto a história dela que já está se tornando lenda na família, qualquer hora vamos conversar e lhe contarei sobre quem foi esta grande mulher em nossas vidas. parabéns pela iniciativa, ano qeu vem estarei aqui de novo.
Maria Lucia

andrepgabriel disse...

Oi Sônia, também quero contar uma história! Essa eu contei a minha irmã. Não sou bom em contat histórias de cabeça, então li a ela m livro.Assim também vale?
A história é mais ou menos assim, em Jambeiro, alguns garotos que roubavam frutas de um belo pomar próximo, tiveram a diversão atrapalhada por um vigia que fora contratado pelo dono do pomar. Decidiram sair a noite vestidos com panos brancos até o pomar cantando:

Quando nós eramos vivos
Nós vinhamos comer figos
Agora que estamos mortos
Lá vão os nossos corpos

O vigia assustado saiu correndo, e eles fizeram a festa! Só algun tempo depois foram descobertos, mas se o vigia voltou ou não, eu já não sei...

André e Bárbara Gabriel

Anônimo disse...

Parabéns por mais essa iniciativa, você que é um exemplo pra gente! Adorei também a oficina nas ondas do rádio, li em seu blogue, eita mulher hiperativa! Você e Pércila!
Fábio